É importante saber alguns pontos específicos antes de procurar por carros seminovos.
Foto: Ilustrativa

Atualmente, com a pandemia do novo coronavírus, muitas pessoas começaram a comprar carros usados ou tiveram interesse em comprar um seminovo. Isso acontece porque é necessário sair de casa para ir ao mercado, trabalhar ou algo do tipo. Assim, ter um automóvel pode ser útil para quem quer evitar se contaminar em transporte público ou ao andar a pé pelas ruas.

No entanto, é importante saber alguns pontos específicos antes de procurar por carros usados em Karvi, uma das maiores plataformas para a busca de automóveis no Brasil. Afinal, usados e seminovos apresentam certos tipos de condições e contextos que são diferentes daqueles que olhamos quando vamos comprar um carro 0km. Assim, é essencial entender esses detalhes para não errar na compra.

E aí, quer aprender o que observar quando for comprar um seminovo? Então siga a leitura abaixo!

1. Cuidado para não levar usado quando for comprar um seminovo

Você sabia que usado e seminovo não são a mesma coisa? Exatamente! Apesar de serem usados como sinônimos por muita gente, um carro novo e um seminovo são essencialmente coisas diferentes.

Um carro para ser chamado de seminovo precisa cumprir 3 requisitos básicos. São eles:

Isso significa, portanto, que um automóvel usado pode ter, no máximo, 60 mil quilômetros rodados, uma vez que ele pode ter até 3 anos. No entanto, é importante entender que um carro de 2 anos com 60 mil quilômetros rodados não é considerado um carro seminovo pois a sua quilometragem é acima do limite.

Já um carro usado é qualquer veículo que não seja 0km e que não esteja na classificação acima. OU seja: um carro com 5 anos de idade é usado, assim como um automóvel com 3 anos, mas 80 mil quilômetros rodados.

Ao saber disso, você pode conferir se o carro que quer comprar respeita ou não os requisitos estabelecidos para ser chamado de seminovo.

2. Procure pelo selo de procedência do automóvel

Um dos medos mais comuns de quem vai comprar carros usados ou seminovos é acabar comprando um veículo sinistrado ou que foi roubado ou que tem qualquer outro tipo de problema semelhante.

Por isso, é essencial que o carro seja vendido com um selo de procedência, algo que é obtido após ele passar por uma vistoria cautelar feita por uma empresa isenta na negociação.

Esse selo comprova a veracidade das informações sobre a origem do veículo, garante que ele não tem nenhum problema estrutural e nem passou por qualquer tipo de sinistro.

3. Prefira negociar com uma concessionária

Normalmente, o mercado de usados e seminovos é composto por concessionárias ou por vendedores particulares. Por isso, o consumidor deve escolher entre comprar com uma empresa ou uma pessoa.

Existem vantagens e desvantagens para ambos, mas o ideal é escolher uma concessionária. Apesar do preço cobrado ser maior lá, há mais garantias e seguranças na aquisição do automóvel. Com uma pessoa, há um risco maior do carro ter problemas, tanto mecânicos, quanto jurídicos.

Claro que não basta qualquer concessionária. É necessário que seja uma empresa decente, que trabalha do jeito certo e seguindo todos os passos para garantir a qualidade dos automóveis e negócios realizados.

4. Faça um test drive com atenção

Antes de fechar negócio, faça um test drive com o automóvel que pretende comprar. Isso é ideal para poder sentir em primeira mão a qualidade do veículo. Se ele estiver com algum problema, então você não deverá comprá-lo.

Os principais pontos a observar na hora de fazer um test drive são os seguintes:

  • motor (quanto tempo leva para o carro ligar? O veículo perde potência com o tempo?);
  • alinhamento das rodas (o carro puxa para um lado ou para o outro?);
  • suspensão (o carro treme muito? Você sente cada obstáculo?);
  • freio (quanto tempo leva para o carro frear totalmente depois de chegar a 100 km/h?).

5. Compare preços e qualidades no mercado

Por fim, depois de achar o carro ideal, funcionando bem e sem problemas, é importante comparar o seu preço com o restante do mercado. É até normal que ele esteja um pouco acima da Tabela FIPE (que é uma média do mercado e não uma tabela oficial de preços).

Se ele estiver muito acima ou muito abaixo da média, no entanto, não é indicado comprá-lo, pois pode haver algum problema escondido no carro.

Com essas 5 dicas ficará mais fácil comprar um seminovo sem errar ou sem levar um gato por lebre. É claro que existem muitos casos de pessoas que são enganadas por causa desse tipo de negócio, mas não é por isso que você também será enganado ou que é só isso que existe no mercado. Com cuidado e uma boa filtragem, é possível comprar um seminovo com qualidade e sem riscos.

Gostou do conteúdo? Então comente abaixo com a sua opinião!